Blog



Altmetric é uma companhia que tem como objetivo rastrear e analisar a atividade online ao redor da literatura acadêmica. Desde 2013, o Altmetric libera a lista dos 100 estudos científicos que mais captaram a curiosidade do público ao longo do ano. E no ano de 2019, 6 estudos relacionados a importância da atividade física para a saúde estiveram entre os top 100. Destacamos abaixo um breve resumo de cada um dos mais comentados:


 


Association Between Push-up Exercise Capacity and Future Cardiovascular Events Among Active Adult Men. Yang J et al. JAMA Netw Open. 2019 Feb 1;2(2):e188341. doi: 10.1001/jamanetworkopen.2018.8341.


 


Neste estudo, mais de mil bombeiros com média de idade de 40 anos foram avaliados em relação ao número máximo de flexões realizadas seguindo um ritmo de 80 flexões/minuto mensurada por metrônomo e a ocorrência de eventos cardiovasculares durante um seguimento de 10 anos. Pode-se observar uma relação inversa entre o número de flexões realizadas e a ocorrência de eventos, ou seja, quanto maior o número de flexões realizadas, menor o risco de eventos cardiovasculares ao longo de 10 anos.
Interessante mencionar que os pesquisadores da CLINIMEX também já haviam feito observações semelhantes. O Teste de Sentar-Levantar que avalia de forma simples os componentes não aeróbicos da aptidão física (força/potência muscular, flexibilidade, coordenação e equilíbrio, composição corporal) também possui relação inversa com mortalidade.


 




 


Association of Step Volume and Intensity With All-Cause Mortality in Older Women. Min Lee MBBS et al. JAMA Intern Med. 2019;179(8):1105-1112. doi:10.1001/jamainternmed.2019.0899


 


A informação popularmente divulgada de que são necessários 10 mil passos por dia para se ter saúde possui base científica limitada. Com a finalidade de avançar no conhecimento desta área, Min Lee e col. avaliaram a associação entre número de passos diários realizados em quase 17 mil mulheres com uma média de idade de 72 anos e observaram que quanto maior a quantidade de passos por dia, menor a mortalidade em um acompanhamento de 4 anos. Interessante destacar que o aumento do número de passos por dia esteve associado a uma redução mortalidade de forma progressiva até aproximadamente 7.500 passos/dia, além do qual a mortalidade manteve-se estável. Estes achados podem servir como incentivo aos muitos indivíduos sedentários para os quais 10.000 passos/dia representam um objetivo inatingível.


 


 


 


The physical activity guidelines for Americans. Piercy KL et al. JAMA. 2018;320(19):2020-2028. doi:10.1001/jama.2018.14854


 


A diretriz norte-americana sobre atividade física também esteve entre os artigos mais comentados em 2019. Nesta diretriz são fornecidas informações e orientações sobre os tipos e quantidades de atividade física para melhorar a saúde para os mais variados grupos populacionais, como crianças em idade pré-escolar, adolescentes, adultos com doenças crônicas, idosos e gestantes. Além disso, a recomendação do volume de atividade física para adultos torna-se pelo menos 150 minutos a 300 minutos por semana de atividade física aeróbica de média intensidade, ou 75 minutos a 150 minutos por semana de atividade física aeróbica de alta intensidade, associado a atividades de fortalecimento muscular em 2 ou mais dias da semana.
Na CLINIMEX, nosso programa de exercício inclui exercícios aeróbicos e exercícios de fortalecimento muscular. Além disso, exercícios voltados para a melhora do equilíbrio, coordenação, flexibilidade e força de preensão manual são também prescritos dependendo da necessidade de cada paciente.


 


 


 


Association of Lifestyle and Genetic Risk With Incidence of Dementia. Lourida I. et al. JAMA. 2019;322(5):430-437. doi:10.1001/jama.2019.9879.


 


Neste interessante estudo, os autores questionaram se a adoção de um estilo de vida saudável estaria associada a um menor risco de demência independente do risco genético.
A partir da avaliação de quase 200 mil indivíduos com idade mínima de 60 anos, um estilo de vida saudável, com base nos fatores tabagismo, atividade física, dieta e consumo de álcool, esteve associado a redução do risco de desenvolvimento de demência tanto nos indivíduos com baixo risco quanto nos indivíduos com alto risco genético.
Esses achados mostram a importância da adoção de um estilo de vida saudável independente do fator de risco genético para o desenvolvimento de demência.


 




 


Dose-response associations between accelerometry measured physical activity and sedentary time and all cause mortality: systematic review and harmonised meta-analysis. Ekelund U et al. BMJ. 2019 Aug 21;366:l4570. doi: 10.1136/bmj.l4570.


 


Com o objetivo de avaliar a relação dose-resposta do volume e intensidade de atividade física mensurada por acelerômetros e mortalidade por todas as causas, os autores realizaram uma revisão sistemática e meta-análise, resultando na avaliação de 8 estudos ao total.
A partir desta avaliação, concluiu-se que níveis mais altos de atividade física total, em qualquer intensidade, e menor tempo gasto com atividades sedentárias, estão associados a um risco substancialmente reduzido de mortalidade prematura, com um padrão dose-resposta entre atividade física e mortalidade não-linear.
Recentemente, apresentamos na XX Imersão do DERCAD uma palestra sobre o tema “Prevenção primária e secundária das doenças cardiovasculares – há dose mínima de exercício?”, mostrando esta relação dose-resposta entre exercício e mortalidade. Para acessar a apresentação completa, basta acessar nosso canal do Youtube em https://www.youtube.com/watch?v=2XrbsQWC1is&t=25s


 


 


 


 How does exercise treatment compare with antihypertensive medications? A network meta-analysis of 391 randomised controlled trials assessing exercise and medication effects on systolic blood pressure. Naci H et al. Br J Sports Med. 2019 Jul;53(14):859-869. doi: 10.1136/bjsports-2018-099921


 


Uma interessante meta-análise publicada no British Journal of Sports Medicine buscou comparar o efeito do exercício físico com o efeito de medicações na pressão arterial sistólica.
Dentre os indivíduos portadores de hipertensão arterial, não foram observadas diferenças na redução da pressão arterial sistólica relacionada ao uso das principais medicações anti-hipertensivas utilizadas na prática clínica (diurético, beta-bloqueador, inibidores da enzima conversora da angiotensina e bloqueadores de receptores da angiotensina) quando comparado a realização de exercícios aeróbicos e resistidos. Este estudo mostra, portanto, a importância da realização de exercício físico regular na população com hipertensão arterial.
Na nossa prática diária na CLINIMEX, utilizamos ainda o cardiogrip como um forte aliado para o controle da pressão arterial. Para saber mais como este exercício auxilia no controle pressórico assista ao nosso vídeo em https://www.youtube.com/watch?v=9DgWFtJZMO0&t=18s


 




COMPARTILHE:


< voltar